Petroleiros na Greve Geral

Edisen greve geral

Imagem Samuel Tosta

 

Atualizada em 17:37

Em todo o Sistema Petrobrás, ao longo do dia cresceu à adesão ao movimento nacional da greve geral  contra a perde  de direitos promovidos pelo governo Temer a partir das reformas Trabalhista e Previdência.

No Paraná, São Paulo, Bahia, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Pernambuco, Rio Grande do Norte e em outros estados, houve bloqueios das rodovias que margeiam os polos industriais.

No Rio de Janeiro terminais importantes de abastecimento como o Terminal Aquaviário Baía de Guanabara (TABG-RJ) paralisam parcialmente com suas atividades por 24 horas.

A partir de meio dia trabalhadores e trabalhadoras  realizaram um ato na frente do Edifício Senado (EDISEN), uma das sede administrativas da Petrobrás no Centro do Rio de Janeiro.

 

Em Angra dos Reis-RJ, no Terminal da Baía de Ilha Grande (TEBIG) ocorrem paralisações  nas áreas administrativa (parcial), manutenção (total)  e operação (parcial). Na unidade foi realizada uma assembleia dos terceirizados em que foi debatida de forma os trabalhadores e trabalhadoras serão prejudicados casos as reformas de Temer sejam aprovadas. O estaleiro Brasfels, sediado na região, também teve uma grande adesão de seus trabalhadores

Ainda  em Angra, foi realizado um grande ato no Centro da cidade com a participação de movimentos sociais.

No Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (COMPERJ), em Itaboraí,  ocorreu uma  paralisação parcial na parte da manhã.

No Norte Fluminense, foram  realizados  protestos e bloqueios em vias públicas junto com os movimentos sociais. Nas plataformas e no Terminal de Cabiúnas, os trabalhadores realizaram setoriais para debater a greve.

Litoral Paulista

No terminal Transpetro da Alemoa, em Santos-SP, a adesão foi total entre próprios e terceirizados. A adesão é fruto de um trabalho intenso no terminal feito através de muita conversa atrasos e panfletagens. Vale ressaltar, que a presença constante do sindicato, em todas as unidades, serviu também para dar respaldo aos empregados diretos e terceirizados que foram pressionados por suas gerências a comparecer ao trabalho.

Tebar

No Terminal de Pilões, em Cubatão, houve corte de rendição e adesão de 100% do turno, 95% administrativo e terceirizados. No Edisa Valongo, mais da metade dos petroleiros diretos e terceirizados não compareceram ao local de trabalho.

Na Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA), em Caraguatatuba-SP, houve adesão de 90% do turno, administrativo e terceirizados parados, apesar da Polícia Militar ter tentando barrar o movimento. Lá, houve o apoio do Sintricon. A unidade está nas mãos do grupo de contingência, que foi formado sem a anuência do Sindipetro-LP e por isso, foi feito um Boletim de Ocorrência dando responsabilidade á gerência por colocar a planta em risco.

São José dos Campos

Em São José dos Campos-SP , o Sindicato dos Petroleiros está com piquete de greve na Revap desde às 23h de ontem (29). Conforme deliberação das assembleias, os trabalhadores cortaram a rendição no turno das 23h, das 7h, do ADM e das 15h desta sexta-feira, 30. A Greve de 24h fora aprovada pelos trabalhadores atendendo ao chamado do conjunto das demais categorias organizadas da região e do país.

Belém 

Em Belém-PA, o Complexo de Abastecimento no Terminal de Miramar da Transpetro teve uma grande adesão à Greve Geral. Até às 11:00 hs, o trânsito de caminhões combustíveis que abasteceriam na BR Distribuidora e em outras distribuidoras estava impedido pelos trabalhadores mobilizados que fecharam a rodovia que dá acesso ao terminal. Ainda em Belém houve uma grande adesão dos trabalhadores do transporte público que teve paralisação de quase 100%. Em apoio a mobilização do Sindipetro-AM/AP/MA e PA participaram o Sindimar, Sindiporto e Conlutas, entre outras centrais sindicais.

Junior.jpeg

 

 

Petroleiros param diversas unidades da Petrobrás em apoio à Greve Geral

TABG

Imagem Samuel Tosta

Em adesão à Greve Geral unidades importantes de refino da Petrobrás apresentam corte de rendição e adesão grande.

Das dez refinarias que aprovaram a greve, nove já estão sem trocas nos turnos de revezamento: Refinaria Presidente Vargas (REPAR/PR), Usina de Xisto (Six/PR), Refinaria de Paulínia (REPLAN/SP), Refinaria Capuava (RECAP/SP), Refinaria Duque de Caxias (REDUC/RJ), Refinaria Grabriel Passos (REGAP/MG), Refinaria Landulpho Alves (RLAM/BA), Refinaria Abreu e Lima (RNEST/PE) e Refinaria Isaac Sabbá (REMAN/AM). Na Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP/RS), onde os trabalhadores já haviam feito uma greve ao longo desta última semana, a paralisação está sendo retomada na manhã desta sexta.

O Terminal Aquaviário Baía de Guanabara (TABG/RJ) também está parcialmente com suas atividades paralisadas.

No Rio já às 6h30, havia cerca de 30 quilômetros de congestionamentos registrados pela cidade. Cerca de 30 minutos depois, a lentidão já chegava a quase 50 quilômetros, cerca de 30 quilômetros a mais que o previsto para o horário.

DSC_3500-1805x1203

imagem Samuel Tosta

Vias importantes como a Linha Vermelha e saída da Ponte Rio Niterói, na Avenida Brasil, chegaram a ter bloqueios. O trânsito está com uma grande retenção na altura da Ilha do Fundão, sentido Centro do Rio.

Ao longo do dia os petroleiros vão também realizar protestos em edifícios administrativos da Petrobrás, a partir de meio dia está programado um ato no Edifício Senado (EDISEN).

Um grande protesto organizado por centrais sindicais está programado ainda nesta tarde com concentração na Candelária, Centro do Rio, a partir das 17:00h

Novo site não impede acesso ao antigo

Alguns petroleiros e petroleiras tem feito contato perguntando sobre as informações e documentos do site antigo. Informamos que basta clicar em “links” para realizar o acesso ao antigo site, à rádio, à tv petroleira e à agencia petroleira de notícias. Estamos em processo de reorganização da comunicação do sindicato e em breve lançaremos um novo site, mais dinâmico e atualizado.

Petroleiros do Rio aprovam adesão à Greve Geral desta sexta (30)

Assembleias Greve Geral

A categoria petroleira aprovou a participação na greve geral que acontece nesta sexta (30) em todo o país. A possibilidade de aprovação das reformas que retiram direitos conquistados há muito tempo pelos trabalhadores e os retrocessos políticos e sociais impostos pelo governo aumentaram a indignação dos trabalhadores.

Na Petrobras não faltam motivos para parar: a privatização fatiada da empresa, a redução do efetivo em todos os setores, o sucateamento das condições de trabalho que colocam em risco a vida do trabalhador, assédio moral, perseguições… Parar neste dia nacional de greve geral mostra ao governo e à empresa que não aceitamos mais estas condições e que os trabalhadores dizem mais uma vez que basta de tanto autoritarismo e opressão.

Manifestação meio dia no Edisen e ato unificado 17h na Candelária!

 

Contra as reformas! Contra a terceirização!  Fora Temer! Fora Pezão!

Assembleia do SOS Emprego nesta quarta-feira (28) sobre a Greve Geral

greve geral 30

O Movimento SOS Emprego realiza assembleia nesta quarta (28) para ratificar apoio e participação na Greve Geral do dia 30 de junho. O encontro será realizado a partir das 18 horas  na sede do Sindipetro-RJ, na sede da Avenida Passos, 34, Centro do Rio de Janeiro.

O Movimento SOS Emprego é integrado por trabalhadores de empreiteiras  que perderam  seus empregos em obras  contratadas pelo  sistema Petrobrás como a do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro – COMPERJ,  e de outras que envolviam a criação e expansão de novas de unidades de refino (RNEST) e pesquisa (CENPES)  , além de ser integrado por profissionais  da indústria naval que trabalhavam  em estaleiros no atendimento de encomendas de navios e plataformas para a Petrobrás.

A partir de 2015, em função das paralisações dessas obras e projetos, por conta de denúncias de corrupção na empresa e pela crise econômica, surgiu o movimento que luta pelos direitos dos trabalhadores que em sua grande maioria ainda não receberam suas respectivas indenizações.

Cinco motivos para você parar no dia 30

1 – A Reforma Trabalhista vai tirar direitos que você tem hoje

2 – A Reforma Previdenciária vai comprometer seu futuro dificultando a aposentadoria

3 – Mostrar que os trabalhadores estão mobilizados contra as perseguições, assédio moral e descontos indevidos na empresa

4 – Mostrar à direção da Petrobras que não aceitamos a privatização fatiada da empresa, tampouco a redução de efetivo e o sucateamento das condições de trabalho, que põem em risco a vida do trabalhador

5 – Mostrar aos governos e aos trabalhadores que a categoria petroleira está comprometida com uma saída coletiva dos trabalhadores.

Boletim-Sindipetro-6-1

Confira na versão em PDF a íntegra do Boletim-Sindipetro-6

Tedesco e Marco eleitos para o Conselho Deliberativo da Petros

A chapa 43, apoiada pelo Sindipetro-RJ e Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), composta por Ronaldo Tedesco e Marcos André, venceu a eleição para a vaga do Conselho Deliberativo da Petros, com 5.913 votos.Tedesco participou da reunião da diretoria do Sindipetro-RJ nesta segunda, logo após a divulgação do resultado final do processo eleitoral. Ele propôs a construção de um Fórum Unificado para a cobrança da dívida da Petros, e chamou o sindicato a participar desta construção.

Boletim-Sindipetro-6-2

Confira na versão em PDF a íntegra do Boletim-Sindipetro-6

Jurídico ganha ação do FGTS: benefício é para toda a categoria

O Sindipetro-RJ ganhou na Justiça ação referente às diferenças de valores sobre a correção do FGTS referente aos planos Verão (1989) e Collor (1990) e meses no período de 1987-88 e 1990-91. O processo está em execução, e por isso, a ação coletiva foi extinta, estando em execução individual.

Boletim-Sindipetro-6-3

Confira na versão em PDF a íntegra do Boletim-Sindipetro-6

Seminário inicia projeto de comunicação do sindicato

Sindipetro-RJ realizou no último sábado (24) um seminário de comunicação para debater a imprensa sindical e a construção de um novo projeto de comunicação para o sindicato. O evento teve início com uma mesa de debates formada pelos jornalistas Afonso Costa (criador do Bancário Diário), Carol Burgos (Esquerda Online), Claudia de Abreu (Sindipetro-RJ) e Stela Guedes (pesquisadora). A mediação foi feita pelos diretores Gustavo Marun e Natália Russo do núcleo 1 (Comunicação e Representação, ACT, Mobilização e Relacionamento Externo). O debate teve transmissão ao vivo e a íntegra pode ser assistida no Facebook do Sindipetro-RJ.

Boletim-Sindipetro-6-4

Confira na versão em PDF a íntegra do Boletim-Sindipetro-6

Vitória dos trabalhadores e trabalhadoras terceirizados do CENPES: Nova Rio recua do corte do adicional de periculosidade

nova_rio_sidebar

Depois de ter anunciado um corte de 30%  dos salários referentes da verba de periculosidade de seus funcionários que prestam serviços no  Centro de Pesquisas da Petrobrás (CENPES) , Ilha do Fundão, a empresa Nova Rio recuou da decisão após os trabalhadores terem feito uma paralisação completa, com apoio do Sindipetro-RJ, no turno da manhã desta terça-feira (27) na unidade da Petrobrás.

Em carta enviada, ainda nesta terça ao Sindipetro-RJ , a Nova  Rio reconheceu que  não tinha razão ao fazer o corte do adicional de seus trabalhadores e trabalhadoras antes do termino do contrato com a Petrobrás que será encerrado no próximo mês, em 24 de julho.

Eis os informe principais da carta enviada ao Sindipetro-RJ:

A ‘Nova Rio Serviços Gerais Ltda’ vem através desta, reafirmar o compromisso a respeito das reivindicações feitas pelos seus colaboradores quanto ao adicional de periculosidade:

  • O adicional de periculosidade será pago a toda força de trabalho até o dia 24/07/2017, data de encerramento do contrato atual;
  • Não haverá qualquer tipo d epunição relativa às horas de paralisação do dia de hoje (27), não sendo realizado nenhum desconto relativo às horas paradas;
  • Com relação ao reflexo da periculosidade nas férias, o pagamento será feito conforme legislação vigente, conforme vem sendo praticado momento.

Desta forma, isso comprova que os trabalhadores e trabalhadoras terceirizados no CENPES e no sistema Petrobrás podem resistir e lutar na defesa de seus direitos.