Greve geral: trabalhadores contra os retrocessos

Preocupados com o retrocesso de direitos e a desmobilização, trabalhadores denunciaram a construção de um grande acordão político com algumas centrais para garantir a retirada de alguns pontos da reforma e manter os principais retrocessos.

No Rio, duas plenárias de entidades realizadas no Sepe e no Sindipetro-RJ prepararam as ações unitárias de mobilização do dia 30.

O dia de luta terminou com um grande ato com concentração na Candelária, que seguiria até a Cinelândia. Com a avenida Rio Branco cheia de policiais do choque, a organização do ato decidiu caminhar até a Central do Brasil. A participação de petroleiros e petroleiras foi grande. Infelizmente, mais uma vez o ato terminou com bombas de gás e tiros de bala de borracha pela polícia.

Boletim-Sindipetro-7 pag.4

Confira na versão em PDF a íntegra do Boletim-Sindipetro-7

Petroleiros param diversas unidades da Petrobrás em apoio à Greve Geral

TABG

Imagem Samuel Tosta

Em adesão à Greve Geral unidades importantes de refino da Petrobrás apresentam corte de rendição e adesão grande.

Das dez refinarias que aprovaram a greve, nove já estão sem trocas nos turnos de revezamento: Refinaria Presidente Vargas (REPAR/PR), Usina de Xisto (Six/PR), Refinaria de Paulínia (REPLAN/SP), Refinaria Capuava (RECAP/SP), Refinaria Duque de Caxias (REDUC/RJ), Refinaria Grabriel Passos (REGAP/MG), Refinaria Landulpho Alves (RLAM/BA), Refinaria Abreu e Lima (RNEST/PE) e Refinaria Isaac Sabbá (REMAN/AM). Na Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP/RS), onde os trabalhadores já haviam feito uma greve ao longo desta última semana, a paralisação está sendo retomada na manhã desta sexta.

O Terminal Aquaviário Baía de Guanabara (TABG/RJ) também está parcialmente com suas atividades paralisadas.

No Rio já às 6h30, havia cerca de 30 quilômetros de congestionamentos registrados pela cidade. Cerca de 30 minutos depois, a lentidão já chegava a quase 50 quilômetros, cerca de 30 quilômetros a mais que o previsto para o horário.

DSC_3500-1805x1203

imagem Samuel Tosta

Vias importantes como a Linha Vermelha e saída da Ponte Rio Niterói, na Avenida Brasil, chegaram a ter bloqueios. O trânsito está com uma grande retenção na altura da Ilha do Fundão, sentido Centro do Rio.

Ao longo do dia os petroleiros vão também realizar protestos em edifícios administrativos da Petrobrás, a partir de meio dia está programado um ato no Edifício Senado (EDISEN).

Um grande protesto organizado por centrais sindicais está programado ainda nesta tarde com concentração na Candelária, Centro do Rio, a partir das 17:00h

Caravana Petroleira marca presença no ato histórico em Brasília

Grupo que reuniu petroleiros, estivadores e integrantes de movimentos sociais participou da marcha histórica de Brasilia contra o governo de Michel Temer e ainda foi alvo da violência policial.

O Sindipetro-RJ sendo coerente com seu histórico de lutas na defesa da categoria petroleira e dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil participou da Manifestação Nacional organizada por centrais sindicais e movimento social realizada em Brasília na última quarta-feira (24), que reuniu mais de 200 mil pessoas pelo ‘#ForaTemer’.

Formada por 4 ônibus a ‘Caravana Petroleira’ saiu do Centro do Rio de Janeiro, Caxias e Angra dos Reis Janeiro na manhã desta terça-feira (23), após a realização de um ato em frente ao edifício sede da Petrobrás – EDISE.

“A defesa da Petrobrás é um dos pontos fundamentais da nossa participação nessa jornada de luta. Por isso, realizamos este ato aqui antes de irmos para a grande marcha de Brasília com a participação de petroleiros, do ’SOS Emprego’ e demais integrantes dos movimentos sociais. Os trabalhadores efetivos da Petrobrás, assim como os terceirizados sofrem com essa política de desmonte da  empresa  que está sendo feita sob as ordens desse governo corrupto do Temer. Não podemos permitir a entrega das nossas estatais para o capital privado, e vamos de todo jeito resistir a essas reformas , a privatização da Petrobrás e de outras estatais” – disse Eduardo Henrique , diretor do Sindipetro-RJ e futuro integrante da nova diretoria do sindicato dos petroleiros que será empossada no próximo dia 1º de junho.

Com um número aproximado de 250 pessoas a ‘Caravana Petroleira’ pegou a estrada em direção à Brasília para participar de um dia histórico que envolve tantas lutas, como da questão de gênero.

“Além de defender a questão da mulher nós precisamos nos colocar na questão trabalhista e previdenciária já que as mulheres serão as mais prejudicadas com a possível aprovação dessas reformas. Diante desse quadro que vivenciamos hoje é preciso dizer ‘Fora Temer’” – falou Verônica Inácio, petroleira de Angra dos Reis.

Chegada em Brasília

Apesar do cansaço após quase 20 horas de viagem a ‘Caravana Petroleira ‘ chegou à capital federal às 07:30 da manhã de quarta (24) com muita animação e disposição. Além do Estado do Rio de Janeiro, petroleiros de outros estados chegavam à concentração do ato que estava centralizada no Estádio Nacional de Brasília (Mané Garrincha).

“Os petroleiros da Região Amazônica que engloba os estados do Amazonas, Amapá, Pará e Maranhão estão aqui para reafirmar o seu descontentamento com esse governo corrupto e entreguista. Esse é um momento de enfrentamento, esse Congresso corrupto quer colocar outro presidente, provavelmente mais corrupto ainda no lugar do Temer. Então participamos deste ato para mostrar que a categoria petroleira entende que a classe trabalhadora esteja a frente desse processo de mudança política no país” – explicou o petroleiro Bruno Terribas, diretor de Comunicação do Sindipetro- PA/AM/MA/AP.

A saída da marcha em direção à Esplanada dos Ministérios aconteceu por volta das 11:30. Vários carros de som puxavam  os manifestantes que ficaram divididos em grandes  blocos que formavam colunas de diversas categorias com o discurso único.

“Se o povo não se unir a gente dança. A política do patrão que está aí é muito clara: retirar direitos dos trabalhadores. Precisamos nos unir contra isso que está sendo colocado em pratica. A população está vindo para as ruas, o que não pode acontecer é ficarmos parados e passivos esperando o mundo acabar. O momento é de mobilização e vamos sacudir aquela Praça dos Três Poderes!” – conclamava o petroleiro Silvio Sinedino, também  apoiador da chapa que venceu as recentes eleições no sindicato dos petroleiros cariocas a ‘Mudar o Sindipetro-RJ’.

Repressão policial

A polícia cercou o Congresso para impedir o acesso da manifestação e iniciaram a repressão ainda na Esplanada dos Ministérios. As cenas de guerra no Planalto circularam o mundo.

Mais uma vez, a manifestação foi violentamente reprimida, tanto pela PM como pela Força Nacional de Segurança, que não permitiram que os manifestantes chegassem de forma pacífica, na frente do Congresso Nacional.

“Foram umas 4 horas de bomba de gás e spray de pimenta pra tudo que é lado, balas de borracha, até a cavalaria avançou em um momento que achei que a coisa piorasse quando ainda  apareceu o exército. A nossa linha de frente aguentou  heroicamente, os menos preparados se revezando no apoio e dezenas de milhares de pessoas, de diversas organizações, pelo gramado, respirando gás e ares da revolução.  O ritmo era de avançar e recuar, barricadas, incêndios, gente machucada, vomitando, lacrimejando, exausta, mas sem arredar pé.  Fomos lá gritar contra as contrarreformas e a privatização da Petrobrás, em curso desde FHC, Lula, Dilma… e agora Temer e Parente chegam pra tentar jogar a pá de cal” – descreveu  Eduardo Henrique.

PM de Brasília “sequestra” integrante da Caravana Petroleira

Já no aguardo da volta para o Rio de Janeiro, o baleiro Josimar Félix Oliveira, integrante da Caravana Petroleira foi literalmente sequestrado pela Policia Militar do Distrito Federal que em ação conjunta com a Rotam (Rota Ostensiva Tática Metropolitana), apontou pistola para o grupo de aproximadamente 30 pessoas, e decidiu levar Josimar.

Diretores do Sindipetro-RJ e advogados voluntários acabaram localizando o baleiro na sede da Polícia Civil do Distrito Federal detido sob alegação de atentar contra a ordem pública e solto por falta de provas.