FNP e Sindipetro-RJ exigem respeito aos petroleiros e à vida

Direção da Petrobrás não abre mão da Reducão de efetivos para privatizar a Petrobrás

Nesta quarta-feira (5), pelo segundo dia de atividades das reuniões de Comissões de Acompanhamento do ACT, na parte da manhã, a pauta do encontro entre a Federação Nacional dos Petroleiros  (FNP) e a Petrobrás foi sobre efetivos de trabalho.

Os representantes da FNP fizeram questionamentos sobre o plano adotado pela Petrobrás  que já reduz, na área industrial (refinarias e Fafens) os contigentes de efetivos de turno.

Segundo a Federação, a situação acarreta em aumento da precarização e  de assédio moral, além de ser uma estratégia para  implementação, num  futuro próximo,da terceirização  nas operações das refinarias.

Os dirigentes também questionaram problemas que envolvem particularidades de cada uma das unidades dos respectivos sindicatos filiados à FNP. Dois pontos destacados foram, novamente, as punições em função da participação em greves e a realização do curso de NR no período da madrugada, que vem acontecendo especificamente na Revap.

“Prática  que reduz o efetivo e coloca em risco a execução das tarefas”, alerta Rafael Prado, diretor da FNP e do Sindipetro-JSC.

Em seguida, a Petrobrás apresentou a nova reorganização de método de trabalho na área industrial, uma apresentação nada convincente que prioriza somente resultados técnicos e desconsidera fatores humanos, desrespeitando ,por exemplo, a ‘NR 17’, que trata da adaptação das condições de trabalho, as características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente.

Além disso, a metodologia não releva a participação dos sindicatos e das CIPAS na elaboração da metodologia. Embora os representantes insistissem em afirmar que o projeto de redução tem sido construído com trabalhadores.

De acordo com Lourival Júnior, dirigente da FNP e do Sindipetro-PA/AM/MA/AP, o estudo apresentado é “furado, completamente fora da realidade, que visa apenas reduzir quadro para privatizar a Petrobrás” – afirmou.

Outra crítica ao método apresentado pela empresa  para justificar a redução dos efetivos foi sobre a falta de informações sobre a real situação  dos equipamentos e da sua manutenção.

Para finalizar, em princípio, fica entendido que a metodologia é uma proposta apenas para a área de refino. No entanto, a FNP acredita que é uma questão de tempo para que o método seja aplicado em todo o Sistema Petrobrás.

 

 

Petroleiros param diversas unidades da Petrobrás em apoio à Greve Geral

TABG

Imagem Samuel Tosta

Em adesão à Greve Geral unidades importantes de refino da Petrobrás apresentam corte de rendição e adesão grande.

Das dez refinarias que aprovaram a greve, nove já estão sem trocas nos turnos de revezamento: Refinaria Presidente Vargas (REPAR/PR), Usina de Xisto (Six/PR), Refinaria de Paulínia (REPLAN/SP), Refinaria Capuava (RECAP/SP), Refinaria Duque de Caxias (REDUC/RJ), Refinaria Grabriel Passos (REGAP/MG), Refinaria Landulpho Alves (RLAM/BA), Refinaria Abreu e Lima (RNEST/PE) e Refinaria Isaac Sabbá (REMAN/AM). Na Refinaria Alberto Pasqualini (REFAP/RS), onde os trabalhadores já haviam feito uma greve ao longo desta última semana, a paralisação está sendo retomada na manhã desta sexta.

O Terminal Aquaviário Baía de Guanabara (TABG/RJ) também está parcialmente com suas atividades paralisadas.

No Rio já às 6h30, havia cerca de 30 quilômetros de congestionamentos registrados pela cidade. Cerca de 30 minutos depois, a lentidão já chegava a quase 50 quilômetros, cerca de 30 quilômetros a mais que o previsto para o horário.

DSC_3500-1805x1203

imagem Samuel Tosta

Vias importantes como a Linha Vermelha e saída da Ponte Rio Niterói, na Avenida Brasil, chegaram a ter bloqueios. O trânsito está com uma grande retenção na altura da Ilha do Fundão, sentido Centro do Rio.

Ao longo do dia os petroleiros vão também realizar protestos em edifícios administrativos da Petrobrás, a partir de meio dia está programado um ato no Edifício Senado (EDISEN).

Um grande protesto organizado por centrais sindicais está programado ainda nesta tarde com concentração na Candelária, Centro do Rio, a partir das 17:00h